novembro 6, 2006

Paço Imperial – História quase esquecida

Posted in Construções Históricas, Cultura, Entrada Franca, História, Museus, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Turismo às 5:29 pm por popturismo

paco_principal.jpg

   Treze de Maio de 1888, abolição da escravidão no Brasil. Em uma das grandes salas do Palácio Imperial, na Praça XV de Novembro, a princesa Isabel assina e oficializa a Lei Áurea.
   Pouco mais de 112 anos após esse marco na história do Brasil, o local que deveria, por este e outros acontecimentos, ser um dos mais importantes pontos turísticos históricos é encontrado às moscas. Poucos conhecem um dos locais mais importantes da história do país. O palácio já foi residência de governadores e sede das capitanias do Rio de Janeiro, hoje se tornou um museu de grande importância no roteiro histórico do Rio de Janeiro.
   A poucos metros do Centro Cultural Banco do Brasil, que contrasta escandalosamente em relação a visitantes, o museu do Paço Imperial é visto como segunda alternativa nos passeios de vários turistas que, por acaso, visitam as suas exposições: “Sempre vou ao CCBB, às vezes quando me lembro dou uma passada aqui no Paço”, explica Patrícia Tavares, arquiteta visitante da exposição de Claudia Moreira sobre design.
   Para o porteiro Manoel Couto, de 48 anos, que trabalha há 12 anos no local, o que afasta os visitantes do museu é a falta de segurança, que acabaria quando começasse a revitalização do centro: “Essa revitalização traria segurança para nós, funcionários, e para os visitantes”, justifica o porteiro. Enquanto visitávamos o museu não foi vista uma só patrulha da polícia militar no local.
   O museu atualmente conta com cinco exposições, sendo duas permanentes, sobre a história do Paço e de Luiz Carlos Brugnera. As outras estão em fim de exposição e permanecem até 06 de novembro: Luciano Figueiredo – Do Jornal à Pintura, Nana Bernardes – O trabalho é seu, que conta com obras audiovisuais, e a da designer Claudia Moreira Salles.
   As obras, o ambiente, a localização, nada deixa a desejar a outros museus. Tendo exposições de artistas contemporâneos, entrada franca todos os dias e grande conteúdo histórico cultural, o Paço Imperial possui tudo para ser um local tão visitado como seu vizinho, o CCBB. Com um pouco mais de divulgação das exposições, um pouco mais de treinamento para os funcionários e alguns monitores-guias permanentes, o Paço pode se tornar um dos mais visitados.
   O museu ainda pré-agenda visitas para grupos escolares com guias (se houver exposição). Está aberto de terça a domingo, das 12h às 18h.

Endereço: Praça XV de Novembro, 48 – Centro – CEP 20010-010
Tel: (21) 2533 4491 /2533 7762 fax: 2533 4359
Site:
http://www.pacoimperial.com.br/

paco_mini.jpg paco_mini1.jpg

Matéria: Osmar Galvão
Fotos: Laís Orsolon

Anúncios

outubro 30, 2006

Museu do Folclore Edson Carneiro: Um Escondido Tesouro

Posted in Cultura, Entertainment, Entrada Franca, folclore, glória, Museu de Folclore, Museu de Folclore Edison Carneiro, Museus, Rio de Janeiro, RJ, Turismo às 5:29 pm por popturismo

museudofolclore10.jpg

   Bumba-meu-boi, Folia de reis, Maracatu, Cavalhada, Escolas de Samba, etc. Tudo está registrado no excelente acervo que contêm 12 mil objetos, 130 mil documentos bibliográficos e cerca de 70 mil documentos audiovisuais do MFEC, Museu de Folclore Edison Carneiro, no bairro do Catete, Rio de Janeiro. Com tem entrada franca, ele está aberto a visitações de terça a sexta-feira, de 11 às 18h e aos sábados, domingos e feriados, de 15 às 18h. Visitar este museu é como fazer uma viagem ao interior do país, conhecer meios antigos de produção e um pouco da diversidade cultural.
   Os trabalhos são surpreendentes. Os artistas exploram técnicas de seu dia-a-dia como a fabricação de farinha, de cachaça, rapadura, de vinhos, queijos, trançados (pesca e renda) e criação de gados. Tudo é reproduzido com grande riqueza de detalhes, as miniaturas são feitas em barro, algumas com movimentos, e há reproduções em tamanho real com maquinários já desativados.
   Nos trabalhos feitos à barro há obras de grandes escultores desconhecidos do grande público, mas que muito contribuíram para a cultura nacional, como Nhô Caboclo, GTO, Louco, Benedito e outros mais. São obras dos mais distantes cantos do país, como Maragogipinho-BA, Apiaí-SP e Buritizeiro – MG. Uma verdadeira salada cultural temperada com uma trilha sonora folclórica que toca no interior do museu.
   Além de obras em barro, o museu aborda festas populares como o Maracatu, o Carnaval Carioca, a Cavalhada, a Roda de Cururu, os Clóvis, a Roda de Orixás, o Bumba-meu-boi e a Folia de reis. Todas com fantasias e fotos das festas. Religiões são apresentadas com imagens de santos e protetores tanto no Catolicismo, no Umbanda ou no Candomblé.
   Certamente é um tesouro escondido do restante do mundo. Ao contrário dos outros pontos turísticos da cidade do Rio de Janeiro, poucos são os turistas que conhecem o MFEC. Três grandes andares de pura cultura na Zona sul carioca sem nenhuma divulgação.
   O museu apresenta uma pequena exposição temporária do artista Manoel Silvio A. Fonseca, o Seu Silvio, que expõe vasos, imagens e têm algumas peças a venda nos mais variados preços. A exposição temporária permanece até 12 de novembro.

Endereço: Rua do Catete, 179 – Catete – CEP 22220-000
Tel: (21) 2285 0441 r. 204 e 206
Fax: ramal 210
Site:
www.museudofolclore.com.br

museudofolclore16_mini.jpg museudofolclore18_mini.jpg

Matéria: Osmar Galvão
Fotos: Nathalia Bernardes

outubro 23, 2006

Museu da Chácara do Céu – Cultura Acessível

Posted in Cultura, Dalí, debret, Di Cavalcanti, Entertainment, Guignard, Iberê Camargo, Matisse, Miró, Museu, Museus, Museus Castro Maya, Picasso, Rio de Janeiro, RJ, Santa Teresa, Turismo às 5:05 pm por popturismo

museu3.jpg

   O museu da Chácara do Céu, localizado no bairro de Santa Teresa, é um passeio cultural barato e que sai dos roteiros turísticos tradicionais. Com menos de R$ 5,00 o turista o visita e passa por belas paisagens proporcionadas pela vista privilegiada do bairro de Santa Teresa. A melhor maneira de chegar é através do bonde, cuja passagem custa só R$ 0,60, saltando na estação Curvelo. O passeio pelas ruas do bairro é uma atração à parte. A entrada do museu custa R$ 2,00, têm direito à gratuidade menores de 12 anos, maiores de 65 anos, grupos escolares, professores e guias turísticos em serviço, membros do ICOM e da Associação dos Amigos do Museu.
   Segundo o funcionário do IPHAN Manoel Martins, 40 anos, há 22 trabalhando na Chácara do Céu e morador de Santa Teresa, a importância do lugar para a cidade está em seu acervo.  Artistas estrangeiros consagrados como Matisse, Picasso, Dalí, Miró, viajantes estrangeiros do século XIX e brasileiros como Guignard, Di Cavalcanti, Iberê Camargo, Antônio Bandeira, além do maior conjunto público de obras de Portinari, fazem parte da exposição permanente. Apesar da representatividade e da beleza, o lugar é pouco conhecido entre os cariocas. O museu é visitado principalmente por turistas estrangeiros, como explica Manoel: “O que afasta o carioca são a preguiça e a falta de divulgação”.
   A casa de Santa Teresa, herança de família, era a antiga residência de Castro Maya, industrial e colecionador de artes que em 1963 criou a Fundação Raymundo di Ottoni Castro Maya. Integrada pelo Museu do Açude e o Museu da Chácara do Céu, hoje adquiridos pela União, faz parte do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. A construção atual da Chácara do Céu  foi projetada em 1954 pelo arquiteto Wladimir Alves e seu caráter original de residência foi preservado, mantendo a sala de jantar e a biblioteca. Os outros espaços são reservados para exposições temporárias do acervo.
   O museu expõe de 10 de outubro de 2006 a 26 de fevereiro de 2007 “Société des Amis de L´Eau-Forte. Uma coleção de pai para filho”, uma  reunião de obras pertencentes à coleção iniciada pelo pai de Castro Maya. E também “Caderno de Viagem de Debret”, de 19 de outubro a 04 de dezembro, os estudos e aquarela pertencentes ao acervo dos museus Castro Maya.
   O museu Chácara do Céu fica na Rua Murtinho Nobre, 93, Santa Teresa ao lado do Parque das Ruínas. O acesso é facilitado pela sinalização ao longo do caminho.

Endereço: Rua Murtinho Nobre, 93 – Santa Teresa – CEP 20241-050
Tel/Fax: (21) 2224 8981 – 2507 1932
Site: www.museuscastromaya.com.br

E-mail: chacara@museuscastromaya.com.br

museu1.jpg museu2.jpg

Matéria: Debora Rolim
Fotos: Nathalia Bernardes